Humildade no varejo e na vida – Por Alcides Debus, Presidente da CDL POA

03

MAIO, 2018

Notícias

“Pessoas compram experiências, não produtos”, decreta o CEO da Adobe Systems, o norte-americano de origem indiana Shantanu Narayen.  Sim, hiperconectividade, devices, modelos preditivos, Big Data, wareable, realidade aumentada, impressões 3D fazem parte deste menu, porém não representam o botão de ˜go on”. Nada vai funcionar ou se encaixar como um quebra-cabeças sem humildade. É um sentimento totalmente humano que deve nortear este admirável mundo novo de incessantes transformações digitais.

É a humildade de reconhecer o fato de sempre haver algo a aprender e a melhorar que provoca e desenvolve a cocriação e a personalização, responsáveis pela consciência de que consumidores e shoppers serem palavras e conceitos ultrapassados. São simplesmente pessoas, cujo cérebro é comandado por duas forças combinadas: a razão, lenta em suas decisões, e a intuição, sanguínea e veloz.  Entender essas sinapses exige humildade de abrir mão de conhecimentos prévios, de pré-conceitos  e daquela obsessão de se estar sempre com a razão.

Nunca a pessoalidade foi vista e sentida de uma forma tão complexa, multifacetada. Tudo tem sido uma incógnita. No varejo, por exemplo, há anos o varejista tem a sensação de se deparar com a esfinge que, zombeteiramente, sibila: “Decifra-me ou te devoro”. Alardeou-se a decadência das lojas físicas, e o pavor quase petrificou os empresários. Surgiu a tendência do omnichannel, baseada na convergência de todos os canais utilizados por uma empresa, buscando a inexistência de diferença entre o mundo online e o offline. O phigital passou a ser perseguido como o Santo Graal, pois une a experiência do online e da loja física, quebrando barreiras.

Segundo uma pesquisa realizada pela Adobe, as empresas líderes em criação de experiência, e não importa qual o core do negócio, atingem uma percepção de marca 1,6 vez maior, 1,7 vez mais a retenção de novos clientes, e o aumento da receita é 36%  mais rápido. E tudo isso é igual a uma maior satisfação dos clientes.

Ser humilde é querer sempre aprender, ter comprometimento, agindo com simplicidade, cordialidade, respeito e honestidade, sem prepotência ou soberba.  Assim, a experiência pode ser construída e se tornar memorável no varejo e na vida.

Fonte: Rede de Opinião