Quais são os determinantes das vendas do varejo – Parte 2

14

AGOSTO, 2018

Notícias

O que explica o pequeno aumento dos salários reais nos últimos meses?

Lento crescimento da economia, insuficiente para diminuir de maneira mais rápida a taxa de desemprego.

Em primeiro lugar, as maiores crises da história do Brasil e do Rio Grande do Sul, ocorridas entre meados de 2014 e o fim de 2016, legaram forte aumento da taxa de desemprego, conforme o gráfico abaixo. Entre 2015 e 2016, a queda acumulada do PIB foi de 6,9% no âmbito nacional e de 7,4% no estadual.

 

Taxa de desemprego na Região Metropolitana de Porto Alegre e do Brasil – Em %

Fonte: IBGE/PNAD Contínua.

 

Várias análises econômicas realizadas até o mês de maio apontavam que a taxa de desemprego cairia de maneira mais intensa em 2018, em linha com a expectativa retomada mais forte da atividade. Em 06 de março, por exemplo, as projeções de crescimento da economia brasileira apontavam para um avanço de 2,92%. Desde então, os números vêm sendo revisados para baixo.

No momento, espera-se que o PIB aumente apenas 1,5%. A greve dos caminhoneiros e a piora do cenário internacional – incluindo o aumento das taxas de juros americanas e as tensões envolvendo guerras comerciais, sobretudo entre Estados Unidos e a China, contribuíram para essa deterioração.

 

Continue lendo a análise no próximo post:
Quais são os determinantes das vendas do varejo – Parte 1
Quais são os determinantes das vendas do varejo – Parte 3

 

*Conteúdo exclusivo – Oscar Frank, economista-chefe da CDL POA