fbpx

Nenhuma faixa etária acima de 30 anos teve abertura de empregos no RS em 2018

30

JANEIRO, 2019

Notícias

E o pior resultado se concentrou entre trabalhadores de 50 a 64 anos

 

Depois de três anos amargando extinção de empregos formais, o Rio Grande do Sul comemorou, claro, o saldo positivo de vagas em 2018. Foram 20.249 contratações a mais do que demissões.

O economista-chefe da CDL, Oscar Frank analisou os dados por idade e por nível de ensino. A informação que mais chamou a atenção da coluna Acerto de Contas na tabela é que apenas faixas etárias até 29 anos tiveram saldo positivo:

Até 17 anos: +20.081

De 18 a 24 anos: +47.998

De 25 a 29 anos: +1.274

Acima de 30 anos, todas as faixas etárias perderam postos de trabalho com carteira assinada. Em especial, pessoas de 50 a 64 anos.

De 30 a 39 anos: -10.125

De 40 a 49 anos: -8.355

De 50 a 64 anos: -25.708

65 anos ou mais: -4.916

Já quando considerado o nível de ensino, a geração de empregos em 2018 se concentrou em quem tem ensino médio:

Analfabeto: +40

Até 5ª ano do Fundamental: -719

5ª ano completo do Fundamental: -1.955

6º a 9º ano do Fundamental: -3.433

Fundamental completo: -5.673

Médio incompleto: +4.992

Médio completo: +17.367

Superior incompleto: +4.697

Superior completo: +4.933

O economista observa que as demissões se concentraram nos trabalhadores mais caros. Oscar Frank ressalta que a economia gaúcha deve sentir o impacto dessas transformações na forma de uma redução da produtividade a curto e médio prazos.

— Uma parte considerável dos empregos que deixaram de existir tinha, como característica, maior capacidade de agregação de valor para as firmas. Por outro lado, os jovens recém-contratados, inclusive aqueles com maior escolaridade, levarão tempo até se tornarem mais eficientes. Lembrando que, quanto mais baixa a qualificação, menor é a capacidade de execução de tarefas mais complexas em menor tempo e com maior grau de assertividade – conclui o economista da CDL. 

 

*Fonte: Site GZH – Coluna Giane Guerra
 Foto: Gilmar de Souza / Agência RBS