NRF 2020: simplicidade para transformar – Por Rafael Guerra

29

NOVEMBRO, 2019

Notícias

No início de janeiro, tive a oportunidade de participar da NRF Retail´s Big Show, o maior encontro do varejo mundial, em Nova Iorque. Três dias de muito conteúdo, tecnologia e inspirações. Quando se participa de um evento deste porte – 40 mil participantes, de 99 países – se aguarda ansiosamente as grandes tendências, os rumos e direcionamentos que o segmento deverá ter, a partir das referências de grandes empresas e da economia norte-americana.

A reflexão que fica é a seguinte: como absorver tanta inovação e transformação em um segmento que é impactado diretamente por qualquer alteração na economia, no poder de compra da população e principalmente pelas mudanças comportamentais dos consumidores? Qual o limite da capacidade de processar e executar o volume de mudanças necessárias para se manter competitivo? E nesse contexto, com atenção especial ao pequeno e médio varejista.

A cada evento, a cada congresso e feira, mais tendências. Mas, e tudo aquilo que vem sendo falado há anos, e por todas as razões existentes ainda não foi possível implementar? A tendência do ano passado é a pendência de hoje. A NRF 2020 se conectou com isso. E justamente no ano em que o tema do evento foi “Visão”. Olhar para o futuro, mas com o desafio de deixar menos para trás. Acelerar o que for possível – nada de keep calm. Aproximar e valorizar a essência. O olho no olho (vendedor e consumidor) nunca teve tanto valor. Ou melhor, como dito pelo Presidente da NRF, Cris Baldwin, “o varejo precisa de uma nova narrativa”.

O Big Show aproximou o varejo do seu princípio fundamental: pessoas. Foi claro, a partir da fala de speakers como o CEO da Microsoft, Satya Nadella, o CEO e Chairmann da Starbucks, Kevin Johnson, e a CEO da Kohl´s, Michelle Gass, que o investimento, a qualificação, a presença e a relevância do fator humano no varejo antecedem qualquer inovação ou migração tecnológica.

A feira de inovação e serviços da NRF Retail´s Big Show, com mais de 800 empresas expondo e apresentando soluções de tecnologia para o varejo, torna mais consistente a sua importância. A tecnologia deve ser usada para facilitar o meio, não para ser o final. Olhar sempre para frente, mas sem deixar pendências no passado. A inovação pode estar no outro lado do mundo, mas às vezes está no outro lado da rua, ou mesmo dentro da loja. Simplificar para crescer e transformar.

__________________________________________________________
Rafael Guerra
Relações Públicas
Gestor de Marketing da CDL Porto Alegre

 

Veja também: