O cais para Porto Alegre – Por Alcides Debus

13

MAIO, 2019

Notícias

A nossa Porto Alegre tem muito mais em comum com Baltimore (EUA), Cidade do Cabo (África do Sul), Gênova (Itália) e Barcelona (Espanha) do que se imagina. Respectivamente, as quatro exibem, com orgulho, os portos revitalizados de Inner Harbor, Victoria & Alfred Waterfront, Porto Antico di Genova e Marina Port Vell. Com algumas variações, oferecem restaurantes, museus, centro de eventos, shopping e lojas, hotéis e marinas que motivam milhares de pessoas a – mais do que admirarem a beleza do Rio Patapsco, em Baltimore, ou a do Mar Mediterrâneo, em Gênova ou em Barcelona – fazerem relacionamentos e negócios a partir de empreendimentos que também proporcionam cultura, lazer e entretenimento. Ou seja, qualidade de vida. E por que não oferecer essas possibilidades a partir do Guaíba?

 A bela orla recém revitalizada pela prefeitura municipal é um prenúncio do que deveremos alcançar no Cais Mauá e nos seus mais de três quilômetros em que o Guaíba desenha o contorno de 180 mil metros quadrados de área. Como tem acontecido nos últimos 20 anos, a reforma do cais parece consenso, mas alguns aspectos – cultura local ou legislação complexa? – têm impossibilitado esse presente.

 Faz poucos dias, completaram-se 120 anos da apresentação do primeiro projeto de construção do então porto de Porto Alegre. Inaugurado em 1921, só foi concluí – do 38 anos depois. É a História lembrando que, desde o fim do século 19, diversas entidades públicas e privadas sempre tentaram trabalhar pelo desenvolvimento.

Nosso sentimento de urgência se justifica pelo fato de que, tendo como base portos e iniciativas similares, números relacionados ao Cais Mauá apontam expectativas para a geração de 28 mil empregos diretos e indiretos, quando estivesse operando de fato, e a circulação de 12,5 milhões de visitantes a cada ano. E, claro, como em um círculo harmonioso, todo o Centro Histórico, todo o município e o Estado inteiro ganhariam, principalmente em dezembro, janeiro e fevereiro, quando muitos abandonam a Capital e a atividade econômica fica prejudicada. Já é uma dádiva este pôr do sol. Agora, é preciso serenidade dos atores envolvidos para que o Cais Mauá e a população sejam os reais protagonistas do cenário que tem o Guaíba ao fundo.

*Artigo de Alcides Debus, empresário, presidente da CDL de Porto Alegre – publicado no Jornal Zero Hora, na edição do dia 10 de maio de 2019

Fonte: Jornal Zero Hora