Queda no PIB do RS será mais forte do que o -1,5% do país

02

JUNHO, 2020

Notícias

Indicador do Banco Central projeta recuo da economia gaúcha.

Apesar de prevista, a queda de 1,5% do PIB brasileiro no primeiro trimestre de 2020 será mais intensa aqui no Rio Grande do Sul. É o que indica o Índice de Atividade Econômica Regional (IBCRRS) calculado pelo Banco Central e compilado para a coluna por Oscar Frank, economista-chefe da CDL Porto Alegre.

O indicador teve um recuo nacional de 1,9% no trimestre. Ele é chamado, inclusive, de prévia do PIB. Aqui no Rio Grande do Sul, o índice aponta retração de 3,2% da economia gaúcha. O Banco Central identificou desempenho pior somente no Amazonas, com -3,3%.

Apenas dois Estados do país tiveram crescimento no primeiro trimestre na comparação com os últimos três meses de 2019. Foram eles: Paraná (+2,1%) e Goiás (+0,3%).

Lembrando que foram duas semanas que acabaram com o trimestre do PIB, que já não estava tão bem assim. A pandemia foi declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) pouco antes da metade de março e as restrições fortes na economia brasileira ocorreram nas duas últimas semanas do mês. Viagens foram canceladas, fábricas pararam, estabelecimentos comerciais fecharam e famílias pararam de comprar.

E mesmo antes do isolamento adotado no Brasil, a economia aqui já sentia alguns efeitos externos. O avanço do coronavírus na Europa ainda no Carnaval fez empresas mundiais pisarem no freio, escancarando o que estava por vir. Antes ainda, empresas de informática e automobilísticas percebiam problemas para importar insumos da China.

Fonte: Site GaúchaZH – Coluna Giane Guerra

 

___________________________________________________

A CDL Porto Alegre reafirma seu compromisso em acolher as necessidades dos varejistas, auxiliando-os a transpor os entraves da disseminação do coronavírus. A Entidade tem a convicção de que a unidade do setor fará grande diferença neste momento tão delicado e de apreensão para todos. Com a atenção e a disponibilidade de cada empresário, para fazer a sua parte, o setor sairá ainda mais forte desta crise.