Retomada do comércio em Porto Alegre é lenta

01

JUNHO, 2020

Notícias

Com a reabertura liberada desde o dia 20 de maio, o comércio de Porto Alegre ainda registra vendas fracas. Entidades do varejo da Capital avaliam que o desempenho, nesse período de um pouco mais de 10 dias de funcionamento, ainda é fraco. As vendas chegam a apenas 40% do patamar alcançado na mesma época do ano passado. Bares e restaurantes também apontam baixo movimento e consumidor mais receoso em consumir no ponto físico. 

Além do movimento menor, em função das restrições de circulação que ainda atingem especialmente grupos de risco, a retomada é dificultada pela cautela do consumidor, que evita gastar em um cenário de incertezas na economia.

O presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse, aponta que muitas questões estão impactando a volta dos negócios, entre elas, o medo das pessoas em relação a um futuro incerto, como instabilidade no emprego e, em outros casos, o próprio desemprego, agravado pelas demissões que ocorreram após a crise do coronavírus.

Algumas medidas restritivas, como a proibição das pessoas experimentarem roupas nos provadores também dificultam os negócios; em paralelo, Kruse cita os problemas de mobilidade, devido à redução do número de ônibus no transporte coletivo de Porto Alegre.

O dirigente acredita que, em um prazo de 90 dias, poderá haver uma recuperação, chegando-se a um patamar de 50% do faturamento, em comparação com o ano passado. Em meio ao cenário preocupante da pandemia, com muitos negócios fechando as suas portas para sempre, Kruse explica que também existe espaço para novos investimentos.

Enquanto alguns comerciantes veem mais despesas do que os lucros, com o pesado valor dos aluguéis comerciais, outros estão aguardando a oportunidade de se instalar em pontos comerciais estratégicos que ficarão disponíveis.

Kruse observa que na Rua da Praia, tradicional via comercial de Porto Alegre, mais de 20 dos estabelecimentos já fecharam as suas portas em definitivo, e outros avaliam a possibilidade de reabertura ou não, devido à queda de faturamento e o peso dos gastos, como o próprio aluguel.

Apesar da situação adversa, o presidente da CDL Porto Alegre, Irio Piva, está otimista e espera uma melhora significativa nas próximas semanas. Embora ainda não tenha dados oficiais sobre o movimento das lojas nesse retorno, em conversas informais com representantes do segmento corrobora com o dado de cerca de 40% do faturamento no mesmo período do ano passado, para as lojas de rua e de shopping centers que reabriram na Capital.

Em nota, o Shopping João Pessoa informou que o fluxo de clientes “foi moderado e o consumo desta primeira semana foi em média 30% do que se faturava antes da pandemia”, A Praça de Alimentação é a mais afetada, pois as pessoas estão fazendo as refeições mais em casa devido ao isolamento social.

Nos 64 dias de fechamento, o estabelecimento teve fechamento de três operações (uma loja e dois quiosques). “São 38 lojas e seis quiosques atualmente”, diz o shopping. Uma novidade é que o João Pessoa vai antecipar a abertura para as 11h a partir desta segunda-feira (1) e fechar às 19h. “Por sermos um shopping de bairro e de conveniência, o interessante é abrir mais cedo.” Das 10h às 11h, abrem banco, lotérica e farmácia.

Pesquisa vai projetar a situação do setor em Porto Alegre para o Dia dos Namorados

A próxima data comercial é o Dia dos Namorados, em 12 de junho, e tanto o Sindilojas quanto a CDL Porto Alegre farão, a partir desta semana, pesquisas para saber a atual situação do setor do varejo. Existe expectativa em relação a um aquecimento nas vendas com a data comemorativa.

Presidente da CDL, Irio Piva informa que, após a data, a pesquisa começará a mostrar os números sobre o desempenho lojista. “Esperamos melhora significativa para os próximos dias”, destaca. O dirigente prevê que a volta de movimento dos consumidores ocorrerá de modo gradual, na medida em que ele se sinta em segurança para frequentar os estabelecimentos e ganhar confiança para novamente retornar às compras.

Piva acrescenta que a retomada de outros segmentos da economia também reforçou a confiança das pessoas. A instituição está trabalhando com os lojistas, apelando para que não fechem os seus estabelecimentos definitivamente. O presidente do Sindilojas, Paulo Kruse, diz que a pesquisa é importante e servirá de base para analisar o grau das dificuldades do momento. “Muitas lojas não sabem como vão reabrir e se podem correr o risco ou não”, salienta.

Fonte: Jornal do Comércio – Edição impressa em 1º de junho de 2020. Site JC – Economia

 

___________________________________________________

A CDL Porto Alegre reafirma seu compromisso em acolher as necessidades dos varejistas, auxiliando-os a transpor os entraves da disseminação do coronavírus. A Entidade tem a convicção de que a unidade do setor fará grande diferença neste momento tão delicado e de apreensão para todos. Com a atenção e a disponibilidade de cada empresário, para fazer a sua parte, o setor sairá ainda mais forte desta crise.