fbpx

Rio Grande do Sul apresenta saldo positivo na geração de empregos formais em 2018

26

SETEMBRO, 2018

Notícias

Com o maior patamar desde o período pré-crise, em 2014, o Rio Grande do Sul registrou saldo de +20.121 empregos gerados no acumulado do ano, entre janeiro e agosto. De uma maneira geral, os números reforçam a recuperação econômica vivenciada pelo RS ao longo de 2018, cuja tração perdeu força ao longo dos últimos meses.

Porto Alegre foi responsável pela criação de 1.767 vagas entre janeiro e agosto, conquistando o quarto lugar no Rio Grande do Sul entre as cidades com mais de 30 mil habitantes. A capital gaúcha só ficou atrás de Caxias do Sul (+6.016) – importante polo metal mecânico do estado –, Santa Cruz do Sul (+3.128) e Venâncio Aires (+2.482), regiões produtoras de tabaco no Vale do Rio Pardo.

Geração de empregos – Brasil

O Brasil criou 110,4 mil postos de trabalho formal em agosto: o melhor resultado para o mês dos últimos 5 anos. Os grandes destaques ficaram por conta dos Serviços (+66,3 mil), seguido pelo Comércio (+17,9 mil), pela Indústria de Transformação (+15,8 mil) e pela Construção Civil (+11,8 mil). Considerando o valor ajustado sazonalmente pela Assessoria Econômica da CDL-POA, o Brasil gerou 51,7 mil empregos no período.

O estoque total de trabalhadores com carteira assinada no mês de agosto, no território nacional, atingiu 38,4 milhões, valor apenas um pouco superior ao registrado no mesmo período de 2017 (38,1 milhões), que marcou o ponto mais baixo da série histórica recente. A distância em relação ao pico, verificado em agosto de 2014, é de 6,6%, o equivalente a 2,7 milhões de vagas.

No acumulado do ano, entre janeiro e agosto, são 568,5 mil empregos gerados em termos líquidos, e 356,8 mil nos últimos 12 meses com término em agosto. Os números estão em linha com a lenta retomada da atividade econômica no Brasil.


Veja também: